pesquisa google

Pesquisa personalizada

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Da janela





Olho a janela
Sentado no coletivo
Cruza indiferente a cidade
Indivíduos nas calçadas
Passam velozmente por mim
Passo cruzando a cidade
Na janela do coletivo
Mendigos me divisam o olhar
Indivíduos
Maltrapilho humano
Dormem sob as marquises da cidade
Indiferente
Alheio
Apenas desfrutam do sono
Antes do despertar
Da cidade gigante.
Dorme individuo sem nome
Dorme homem sem face
Sombra escura da sociedade
Que teima em escondê-lo
Virando-lhe o olhar
Desconhece o ser humano
O irmão ali escondido
Sofrido
Que dorme sob as marquises da cidade
Enrolado em panos velhos.
E eu da janela do meu ônibus
Vejo este ser passar
Deixo a cidade para traz
Olhando da janela
Do coletivo que me conduz.
Postar um comentário