pesquisa google

Pesquisa personalizada

sábado, 9 de agosto de 2008

negros dias de poesia

Desorientado
Tarcísio Ribeiro Costa

Caminho sem rumos
à procura do nada,
erro na primeira enruzilhada,
só encontro brumas sem horizonte...

Volto, como um vencido
à procura de ajuda,
tudo se torna escuro e desconhecido,
o brilho foi-se, ficou só escuridão...

Diante dessa situação,
O cansaço mina a minha destreza,
falta-me terra nos pés, estou perdido,
Domina-me uma grande tristeza...

O que fazer? Recolho-me ao meu interior,
penso nesse mundo sem solidariedade,
não sei como encararar essa realidade
desse mundo sem amor.


ME ENCONTRO SO
A SOLIDAO PERMEIA MEUS DIAS
NEGROS E ESCUROS DIAS
A ALMA DO POETA ENVENENADA
AS FLORES ANTES BELAS
JA MURCHAS SE ENCONTRAM
DAS ROSAS SOBRARAM OS ESPINHOS
NAO CONSIGO ANDAR
ONDE ESTAO MEUS CAMINHOS
QUE ANTES ALEGRES E ILUMINADOS
HOJE JAZEM
PELA DOR MACULADOS
TANTAS PEDRAS
E MEU ANDAR MAIS LENTO
AS SANDALIAS RASGADAS
NAO SINTO MAIS EM MINHA FACE
O DOCE FRESCOR DO VENTO
ONDE ESTA MINHA ALMA POETA
QUE PERECEU NO CAMINHO
ESTA NAO E MINHA ALMA POETA
E SO DOR E AFLIÇAO
ONDE SE ENCONTRAM
OS VERSOS DE AMOR E PAIXAO
QUE ABANDONARAM ESSE CORPO
QUE NAO ENCONTRA MAIS ALEGRIA
PERDEU A MAGESTADE
E PERDEU A POESIA
Postar um comentário